Com a população crescendo no país e no mundo, vemos o grande impacto socioeconômico e político, refletindo principalmente no setor da saúde. Podemos perceber isto com Covid-19. Já é um fato, que nosso país, é o sexto no mundo com maior número de idosos até 2025 segundo OMS (Organização Mundial da Saúde).

Vemos que a políticas públicas com foco na promoção, prevenção e educação em saúde devem ser ampliadas, reconhecendo as características do envelhecimento, identificando precocemente agravos e fatores de risco envolvidos na perda da capacidade funcional e assegurando uma atenção integral, que contribua efetivamente para a manutenção da independência, da autonomia e da qualidade de vida dos idosos.

ENVELHECIMENTO BEM SUCEDIDO.

O conceito de envelhecimento bem sucedido se caracteriza pela qualidade e manutenção da autonomia da capacidade funcional (física e cognitiva) do indivíduo, buscando preservar a oportunidade de continuar uma postura ativa perante a vida e a sociedade, com o intuito de minimizar a exclusão social.

Com o aumento da expectativa de vida, devemos promover a conscientização do envelhecimento saudável, permitindo que o idoso participe e usufrua integralmente dos anos de vida que terá pela frente. Para que ocorra o envelhecimento bem sucedido, devemos estar preparados para doenças crônicas e degenerativas, que aumentam a partir da chegada da longevidade.

FONOAUDIOLOGIA NO FOCO ENVELHECIMENTO.

Você deve está se perguntando, por que o fonoaudiólogo é tão importante para o processo do envelhecimento? O fonoaudiólogo assume um papel importante na população idosa, pois o impacto do envelhecimento pode provocar vários distúrbios limitando na comunicação e nos processos de alimentação/deglutição, sendo associados ou não a uma doença que acomete a esta população.

A Fonoaudiologia tem como foco atuação na prevenção e reabilitação do idoso, se destacando nas seguintes áreas: Deglutição; Voz; Audição; Equilíbrio; Fala; Linguagem e Motricidade Orofacial.

No campo fonoaudiológico, o prefixo “presbi” de origem grega (présby – idoso, velho) tem sido utilizado para designar a deterioração na voz (presbifonia), audição (presbiacusia) e deglutição (presbifagia) limitada às mudanças inerentes à idade, sem outras patologias associadas.

Com estas alterações, podemos contribuir para interferir significativamente para melhor na qualidade de vida do idoso, causando maior impacto na sua funcionalidade e reduzindo a sua independência. A intervenção fonoaudiológica no idoso, é de extrema importância para investigação dos aspectos relacionados ao processo do envelhecimento fisiológico, visando preservar sempre a qualidade de vida.

Open chat